Tão pessoal e dolorido.

"O trigo, que é dourado, fará com que eu me lembre de ti. E eu amarei o barulho de vento no trigo..."

Seus desconhecidos cabelos dourados não vivem mais. Mesmo eles agora estão mortos. Viraram pó. Tudo agora é solidão.
Não há riso, não há choro. Apenas a voz do silêncio. E o cheiro de sangue.
Este cheiro que cisma em impregnar minhas narinas.
Eu sempre o imagino ser devorado por corvos.
Maldito Van Gogh.
Acho que finalmente é hora de dizer adeus, meu grande amigo.

Adeus.

2 Ouvintes:

Roberto Borati disse...

belo escrito sobre a despedida.

Fox. disse...

Ah, obrigado Borati... estava precisando exorcizar alguns fantasmas.

Postar um comentário