Desatinos de Sofia.

Escrevia:
"Pensava em solidão, vivia solidão e queria solidão.
Queria mesmo?"
Deixes de bobagem Sofia, ninguém quer solidão. A solidão é que é uma senhora oportunista. Aproveita-se de jovens tolas como tu.
Permanecia:
"Há solidão na vida. A solidão da morte, a buscar companhia."
Sofia, acordes. Não vês que só estás a perder tempo? Como podes estar só se estou aqui contigo?
Em palavras se esvaia:
"A morte com sorte, hoje encontra companhia."
Ah Sofia, aborreces-me com estes desvarios.
Com ajuda do cianureto,
Sofia dormia.

2 Ouvintes:

Mari disse...

Engraçado como tua visão de solidão, hoje, condiz com meu dia-a-dia mas difere do meu hoje...
Goste muito!

Pedro Dantas disse...

Que belos personagens criastes. Tenho acompanhado, Sofia e Pedro e suas peculiaridades. Sobre o post em sí, ótimo! como sempre.

Postar um comentário